Categorias  
Artes
Auto-Ajuda
Best-sellers
Biografias
Ciências Exatas
Ciências Sociais
Direito
Economia e Contabilidade
Erótico (+18)
Filosofia e psicologia
Gastronomia
História e Geografia
Infanto-Juvenil
Literatura
Medicina e Saúde
Obras Gerais
Poesia
Religião
home > detalhes do eBook
  • Impressão permitida: Não
  • Impressão de seleção: Não
  • Cópia permitida: Não
  • Cópia de seleção: Não

18 crônicas e mais algumas

A psicanalista Maria Rita Kehl retorna às livrarias com uma coletânea de crônicas: 18 artigos publicados no jornal O Estado de S. Paulo e outros 26 em veículos como Teoria e Debate, Folha de S.Paulo e Época, escritos ao longo da última década. Estão contemplados nesta obra textos célebres, como “Dois pesos...”, que expõe as fissuras de uma sociedade desacostumada com a participação dos mais pobres. Maria Rita questiona o papel do psicanalista na imprensa: para ela, não se trata de explicar certos fenômenos e “comportamentos” que intrigam a sociedade (e ajudam a vender jornais), mas sim de escutar o sintoma social. “O melhor que um psicanalista pode fazer, na imprensa, é quase idêntico ao melhor que pode fazer um jornalista por vocação: indagar o objeto de seu interesse, para além dos automatismos ideológicos e do conforto da teoria aplicada”, afirma na apresentação do novo livro, publicado pela Boitempo Editorial. “O impacto inquietante que a notícia sobre o inconsciente provocou nas sociedades bem comportadas do início do século XX deu lugar, cem anos depois, à expectativa de que a psicanálise possa oferecer explicações confortadoras para o mal-estar na civilização. Mas a psicanálise não tem vocação apaziguadora. A grande potência do dispositivo analítico continua a ser a de desestabilizar – certezas, crenças, ilusões, defesas neuróticas, fortalezas narcísicas.” O paralelo com a atividade jornalística vem de referências pessoais. Antes de trabalhar em clínica, Maria Rita escreveu para vários jornais de grande e pequena circulação e nunca abandonou de fato o meio. “A escrita jornalística me fez conhecer, mais do que os livros publicados ou os textos editados em revistas de psicanálise, a alegria incomparável de constituir uma voz que se faz reconhecer e escutar de imediato no espaço público.” É a pauta que se impõe ao seu pensamento na hora de escrever, não importa quão comprometedora seja. “O ego não escolhe nada. Quem escolhe é o desejo (inconsciente), ou o sintoma. No meu caso, ao se aproximar a data da escrita da coluna, um acontecimento daquela semana me escolhia.” Foi assim com o deslizamento do morro do Bumba, em Niterói, em abril de 2010, e com a discussão sobre o aborto e sobre a expressão dos votos dos brasileiros pobres, durante as eleições presidenciais do mesmo ano. “Os melhores textos, do ponto de vista do prazer da escrita, são esses que se impõem, que se escrevem no pensamento muito antes de se ter tempo de encarar o teclado. São as pautas necessárias – se não para o leitor, ao menos para o autor. Daí a carga de verdade que contêm. Verdade subjetiva daquele que escreve, que nem assim tem poder de preservar o escritor do erro.” Além da psicanalista, da jornalista e cidadã, há muito mais de Maria Rita nas entrelinhas de suas crônicas, principalmente um olhar crítico e desembaraçado das convenções e uma forte identificação com o País e com o próprio percurso nele vivido – “Acontece que sou brasileira e tudo, aqui, me diz respeit

R$ 15,00


     


 

 
 
Mais informações:

Editora:

Boitempo Editorial

Idioma:
ISBN: 9788575592298
Formatos disponíveis: ePub